Flávio Capitulino

Flávio César Capitulino
Sousa-PB, 1966. Vive e trabalha em Paris/França.

Restaurador. Autodidata. Cursando Ciências Biológicas (UEPB, Campina Grande), resolveu se mudar para a França, contando apenas com o contato de um casal de franceses que conheceu em Campina Grande. Logo depois, já em Paris, residiu um mês na Cité Université, e foi se virando como podia: dançava lambada com uma nega maluca [boneca de pano] em frente ao Centro George Pompidou, foi faxineiro, empregado doméstico e babá. Após se oferecer para “dar um jeitinho” em uma antiga mesa de laca chinesa que estava em péssimo estado, e por causa do trabalho bem executado, conheceu uma diretora do Museu do Louvre, que lhe encaminhou para um curso de restauração com o professor Eduard Dechellet, ex-chefe responsável pela restauração de obras do Louvre, permanecendo nove anos no ateliê do Sr. Dechelet. Depois de sair do Louvre, abriu seu próprio ateliê, Charlesmagne (já fechado), no qual restaurou obras de renomados artistas para o Museu do Louvre, Palácio de Versailles e outras galerias parisienses, como a Galerie Cazeau-Béraudière. Reconhecido como restaurador pelo exímio trabalho que realiza, tem prestado serviços em vários centros culturais no exterior. Em 2000 recebeu o título de Cidadão Campinense, momento em que restaurou obras na Catedral, no Seminário Diocesano e as estátuas dos Tropeiros da Borborema, no Açude Velho. Organizou as exposições Expoart 2001e 2002, em que reuniu obras de Picasso, Renoir, Matisse, Pierre Bonard, Salvador Dali, entre outros. Na Paraíba, criou a Associação Flávio Capitulino, para ajudar a União de Cadeirantes, Andantes e Amigos de Pessoas Especiais (Alagoa Nova-PB). Ministrou cursos rápidos de restauração em Ouro Preto, João Pessoa e São Paulo.

fonte: [catálogos do restaurador]

Buscar outros artistas

Log in with your credentials

Forgot your details?